Opinião: 'A Culpa é das Estrelas' de John Green

A Culpa é das Estrelas John Green Editora : ASA Chancela : Livros com Sentido Sinopse : Apesar do milagre da medicina que fe...

A Culpa é das Estrelas
John Green

Editora: ASA
Chancela: Livros com Sentido

Sinopse: Apesar do milagre da medicina que fez diminuir o tumor que a atacara há alguns anos, Hazel nunca tinha conhecido outra situação que não a de doente terminal, sendo o capítulo final da sua vida parte integrante do seu diagnóstico. Mas com a chegada repentina ao Grupo de Apoio dos Miúdos com Cancro de uma atraente reviravolta de seu nome Augustus Waters, a história de Hazel vê-se agora prestes a ser completamente rescrita.

Opinião: É 1h da manhã. Acabei de ler as últimas 50 páginas que me faltavam ler do livro 'A Culpa é das Estrelas'. Ao longo da leitura, sorri, ri, chorei, enfim, senti mil e uma emoções. Agora que terminou, quis vir partilhar a minha opinião convosco e tentar transmitir-vos um pouco da experiência que foi ler um livro deste calibre. No entanto, agora que me de deparo com o ecrã ainda com muito pouco escrito, estou sem palavras. Pelo menos palavras que consigam expressar a obra de arte que este livro é da forma como merece.

John Green é um autor que estabelece com o seu leitor uma relação de amor à primeira vista. A sua escrita, que com a leitura de mais obras suas se torna perfeitamente identificável, hiptoniza-nos sem nos dar hipótese de escolha. Se em À Procura de Alaska eu tinha ficado rendida, em A Culpa é das Estrelas fui obrigada a estabelecer novos padrões para julgar um livro. Este senhor, aviso-vos, sobe qualquer fasquia que vocês possam ter em relação aos livros para jovens adultos.

Sim, sei que nos últimos tempos este livro tem sido imensamente falado e que tem provocado duas reacções: uma curiosidade a roçar o irracional para o ler e a desconfiança total de se o livro será realmente assim tão bom. De qualquer maneira o resultado é óbvio. Vocês VÃO LER este livro. Têm de o fazer. O livro não é assim TÃO bom, é melhor.

As personagens Hazel e Augustus vão conquistar-vos completamente. Ao princípio, e porque o cepticismo tem de estar sempre associado ao início de uma leitura, vocês vão criar as vossas expectativas em relação a ambos, tentar talvez imaginar que destino é que o autor dará a cada um deles, mas quando menos esperarem ele troca-vos as voltas. Hazel e Augustus são dois adolescentes de uma índole fascinante e sempre surpreendente.

Tudo o que esteja relacionado com o cancro é sempre muito sensível e provoca sempre grande impacto nas pessoas que acabam por lidar com casos destes, ou até mesmo só ler sobre os mesmos. É também aqui que a escrita de John Green me fascina. Em A Culpa é das Estrelas, o autor não se preocupa com paninhos quentes, as coisas são como são. Apenas a forma como ele as expressa acaba por transmitir uma sensação de beleza aterradora. Há certas situações que acabam por ser inevitáveis e que fogem ao nosso controlo. Ele obriga-nos a encarar a realidade através de personagens fantásticas, sentimentos contraditórios, mas ainda assim com uma ternura indescritivel sempre adjacente. Gostei.



PS: Peço desculpa se a opinião não está muito coerente. Não quero mesmo contar parte alguma da história ou desvendar seja o que for. Hazel e Augustus são daquelas personagens que agora fazem parte de mim. Este acabou por ser um livro que me emocionou, marcou e mais, que provavelmente se vai tornar num daqueles livros que vou querer repetir a leitura umas quantas vezes no futuro, emprestar aos melhores amigos e falar dele ao máximo de gente possível. Porque sim. Porque gostei. Já são 1h45m da manhã, é melhor começar a pensar em ir dormir que amanhã é dia de trabalho. E tal como eu disse, fica a sensação que muito ficou por dizer, que não disse

8 comentários