Aquisições de Setembro de 2014

OPINIÃO :  http://www.branmorrighan.com/2014/09/opiniao-primeira-regra-dos-feiticeiros.html Richard Cypher é um jovem guia em Hartland,...

OPINIÃOhttp://www.branmorrighan.com/2014/09/opiniao-primeira-regra-dos-feiticeiros.html
Richard Cypher é um jovem guia em Hartland, à procura de respostas para o assassinato brutal do pai. Na floresta onde se refugia, encontra uma mulher misteriosa, Kahlan Amnell, que precisa da sua ajuda para fugir aos sequazes do temível Darken Rahl, governante de D'Hara, praticante da mais temível magia negra e um homem ávido por vingança.
Num golpe de verdadeira magia, Richard passa a deter nas suas mãos o destino de três nações e, sobretudo, da própria humanidade. O seu mundo, as suas crenças e a sua própria essência serão abalados e testados, à medida que Richard lida com amigos e inimigos, com a crueldade extrema e a compaixão dedicada, experimentando a paixão, o amor e a raiva, e o seu impacto na missão que lhe é imposta: ser aquele que procura a verdade.

OPINIÃOhttp://www.branmorrighan.com/2014/09/opiniao-montedor-de-jose-rentes-de.html

Ao longo das gerações são sem conta as famílias portuguesas onde há alguém como o triste protagonista de Montedor: rapaz sem futuro, com um passado apenas de sonhos, arrastando-se num presente que é verdadeira morte lenta.
Mau grado a simplicidade das personagens e das cenas, há no romance uma tensão permanente, pode com verdade dizer-se que quase cada página encerra um momento dramático, ou antecipa uma tragédia, a qual, talvez porque raro chega a acontecer, cria um desespero cinzento, retratando bem, e cruamente, os medos e o sofrimento da sociedade portuguesa, passada e presente.
Publicado pela primeira vez em 1968, Montedor é o romance de estreia de J. Rentes de Carvalho, sobre o qual escreveu José Saramago: «O autor dá-nos o quase esquecido prazer de uma linguagem em que a simplicidade vai de par com a riqueza (…), uma linguagem que decide sugerir e propor, em vez de explicar e impor.»

OPINIÃOhttp://www.branmorrighan.com/2014/09/opiniao-nao-digas-nada-de-mary-kubica.html
«Tenho andado a segui-la nos últimos dias. Sei onde faz as compras de supermercado, a que lavandaria vai, onde trabalha. Nunca falei com ela. Não lhe reconheceria o tom de voz. Não sei a cor dos olhos dela ou como eles ficam quando está assustada. Mas vou saber.»
Filha de um juiz de sucesso e de uma figura do jet set reprimida, Mia Dennett sempre lutou contra a vida privilegiada dos pais, e tem um trabalho simples como professora de artes visuais numa escola secundária. Certa noite, Mia decide, inadvertidamente, sair com um estranho que acabou de conhecer num bar. À primeira vista, Colin Thatcher parece ser um homem modesto e inofensivo. Mas acompanhá-lo acabará por se tornar o pior erro da vida de Mia.

OPINIÃOhttp://www.branmorrighan.com/2014/09/opiniao-aqui-e-agora-de-ann-brashares.html
Prenna James é uma jovem de dezassete anos que imigrou para Nova Iorque quando tinha doze. Só que Prenna não chegou a Nova Iorque vinda de outro país… ela veio de outro tempo, de um futuro onde uma doença transmitida através de mosquitos se tornou uma pandemia arrasadora que deixou o mundo em ruínas. Prenna e as outras pessoas que conseguiram escapar são obrigadas a seguir um conjunto de regras muito rígido: nunca revelar de onde são, nunca interferir com o curso da história e nunca, em circunstância alguma, estabelecer uma relação mais íntima com alguém que não faça parte da comunidade. Prenna faz tudo como lhe dizem, acreditando que está a ajudar a prevenir os problemas que um dia vão assolar o planeta. Mas tudo isso irá mudar no dia em que Prenna conhece Ethan Jarves…Emocionante e arrebatador, Aqui e Agora é um romance que lança um olhar sobre um amor impossível e a oportunidade de mudar o futuro.

OPINIÃOhttp://www.branmorrighan.com/2014/09/opiniao-possessao-anjos-caidos-5-de-jr.html
Redenção não é uma palavra que Jim Heron conheça muito bem. A sua especialidade é a vingança e, para ele, o pecado é relativo. Mas tudo muda quando se torna um anjo caído e é incumbido da tarefa de salvar sete pessoas dos sete pecados mortais... e o fracasso não é permitido.
Quando Cait Douglass decide recuperar do seu desgosto de amor, despojar-se das suas inibições e começar realmente a viver, não está preparada para os dois homens sensuais que se atravessam no seu caminho. Dividida entre eles, não sabe qual escolher - ou que tipo de consequências terríveis podem surgir.
Jim Heron, anjo caído e salvador relutante, está na guerra mas coloca tudo em risco quando tenta fazer um acordo com o diabo - literalmente. Quando mais uma alma é involuntariamente apanhada na batalha entre ele e o demónio Devina, a sua fixação numa inocente presa no inferno ameaça desviá-lo do seu dever sagrado... 
Pode o bem ainda prevalecer se o amor verdadeiro enfraquece um salvador? E será que o futuro de uma mulher é a chave, ou a maldição, para toda a humanidade? Só o tempo, e os corações, dirão.

OPINIÃOhttp://www.branmorrighan.com/2014/09/opiniao-mendel-dos-livros-de-stefan.html
Esta novela foi escrita em 1929 e publicada, em folhetim, no jornal diário vienense Neue Freie Presse, de que Zweig era colaborador permanente. Narra-se aqui a história de um judeu ortodoxo galiciano, estabelecido há anos em Viena como alfarrabista/vendedor de livros ambulante, e cujo único interesse eram os livros que comprava e vendia a universitários e académicos de Viena. Esta história constitui, espantosamente, a antecipação em mais de uma década do definhamento do próprio autor: a metáfora de um escritor, «cidadão europeu», pacifista empenhado, entregue de corpo e alma, como o próprio Mendel o era, aos seus queridos livros, à criação de uma obra literária europeia com características universais, mas que, vítima da barbárie nacional-socialista, perde tudo, isto é o seu país, a sua língua, os seus leitores da língua alemã para quem escrevia e o próprio sentido da vida.


Como reagirá a alta sociedade quando distintas personagens são apanhadas em sucessivas situações comprometedoras? Será que as jovens senhoras sobrevivem à temporada com a reputação intacta... ou os rumores escandalosos que as cercam as arruínam?
No ton, Lady Angelina DeBrooke não é só conhecida pela sua rara beleza, mas pelos seus casamentos. Com a alcunha Anjo Negro, apaixonou-se pela primeira vez e deseja casar, mas teme ficar viúva pela terceira vez. Com dois maridos envenenados e uma nuvem de suspeita a pairar sobre a cabeça, ela procura o único homem em Inglaterra que poderá ajudá-la...
Benjamin Wallace, Lorde Heathton, não está interessado em fazer de novo o papel de detective, mas quando Lady DeBrooke o aborda para uma missão que envolve limpar-lhe o nome, ele considera o desafio irresistível. O segundo marido era um velho amigo, e quando começa a investigar, sente o odor de um inimigo que já perseguiu e sabe que esta é oportunidade de prender a esquiva personagem...

OPINIÃOhttp://www.branmorrighan.com/2014/12/opiniao-um-caso-perdido-hopeless-de.html
Quando Sky conhece Dean Holder no liceu, um rapaz com uma reputação tão duvidosa quanto a dela, sente-se aterrorizada, mas também cativada. Há algo naquela figura que lhe traz memórias do seu passado mais profundo e perturbador. Um passado que ela tentou por tudo enterrar dentro da sua mente.
Ainda que Sky esteja determinada a afastar-se de Holder, a perseguição cerrada que ele lhe dedica, bem como o seu sorriso enigmático, fazem-na baixar as defesas, e a intensidade da relação entre os dois cresce a cada dia. Mas o misterioso Holder também guarda os seus segredos, e, quando os revela a Sky, ela vê-se confrontada com uma verdade tão terrível que pode mudá-la para sempre. Será Sky quem ela pensa que é? E será que os dois conseguirão sarar as suas feridas emocionais e encontrar um modo de viver e amar sem limites?


Sob o calor de uma ilha grega, um homem esconde-se para escapar aos perseguidores e recorda a sua vida desenrolando o novelo do seu extraordinário destino. O seu nome é Jacques Coeur.
Filho de um modesto negociante de peles, tornou-se o homem mais rico de França. Financiou Carlos VII ajudando-o a acabar com a Guerra dos Cem Anos. Mudou o olhar sobre o Oriente e viajou através de todo o mundo então conhecido. Com ele, a Europa passou do tempo das Cruzadas ao tempo do comércio. Tal como o seu palácio de Bourges, metade castelo medieval e metade palácio renascentista, ele é uma figura de duas faces: tão familiar dos reis e do papa como das casas modestas.
Ao cume da glória sucederam-se a queda, a miséria e a tortura, antes de encontrar de novo a liberdade e a fortuna.
Entre as paixões da sua vida, a mais perturbadora foi a que o uniu aAgnès Sorel, a beleza suprema da sua época, modelo dos famosos
quadros de Jean Fouquet, primeira favorita real, desaparecida aos vinte e oito anos.
É preciso esquecer tudo o que sabemos sobre a Idade Média e mergulhar na frescura deste livro. Ele possui simultaneamente a força de um romance picaresco, a precisão de uma biografia e o charme melancólico de uma confissão.


Sophie Brinkmann é uma viúva que leva uma vida tranquila nos subúrbios de Estocolmo até conhecer Hector Guzman, um homem sofisticado e elegante. Ela não faz ideia de que sob o charme daquele homem se esconde algo sinistro. Hector é o cabecilha de uma organização criminosa. Ele está habituado a obter tudo o que quer, e o que ele agora quer é aniquilar os seus rivais.
Antes de se aperceber do verdadeiro mundo em que Hector se move, Sophie vê-se enredada numa implacável teia. Com a casa sob vigilância e a família em risco, em quem poderá ela confiar, quando a própria polícia é tão perigosa quanto os criminosos?
Neste primeiro volume da trilogia «Brinkmann», Alexander Söderberg presenteia-nos com um magnífico romance sobre o mundo sórdido do tráfico de armas e droga, dando-nos ao mesmo tempo um retrato magistral da fragilidade humana.


É um fim de dia de maio quando na residência setecentista da família Sogliano, toca o telefone. A família está reunida para o jantar: Orsola, mulher de Edoardo, os cinco filhos do casal, a sogra, Margherita, e as suas duas filhas. Estão à espera de Edoardo. É Orsola quem atende, e toma conhecimento da morte do marido num acidente de automóvel. O golpe é tremendo: trinta anos de amor despedaçados num instante. Mas Orsola não pode saber que aquela mágoa avassaladora se vai transformar em breve numa dor ainda mais profunda, no momento em que descobre uma série de fotografias recentes do marido na companhia de um bonito rapazinho de olhos amendoados, que assina: «O teu filho Steve». A partir deste início fulgurante, Sveva conta-nos a história daquela família ligada à indústria do coral nos últimos dois séculos. A história de Orsola – uma mulher livre e independente de Milão; de Edoardo – o herdeiro da mais importante família do coral de Torre del Greco, mas também a história de Margherita – uma mulher do sul, orgulhosa e de coração generoso. Está é uma história apaixonante, entre amores, luzes e sombras, alegrias e sofrimentos, sucessos e falhanços, tendo como pano de fundo um ambiente tão insólito quanto fascinante e pouco conhecido: o mundo do coral, essa matéria-prima que nos encanta há milhares de anos.


Luísa ainda era uma adolescente. Tiago já era um jovem adulto. Conheceram-se na solidão de uma pequena praia, na margem de um rio. Tinham em comum uma relação familiar traumática. Num caso, o trauma do amor dos pais. No outro, o trauma do ódio dos pais. 
Conheceram-se num dia que pareceu conter uma vida inteira. Mas teriam ficado separados para sempre, se a invisível linha de uma doença que rói o corpo e anuncia a morte não os tivesse voltado a ligar, dezasseis anos depois. 
Luísa e Tiago podem até redescobrir o amor, mas apenas se a si¬lenciosa presença das metástases não se alastrar aos seus cora¬ções. 
Viagem ao Fim do Coração é mais do que uma comovente história de amor. É a recriação de um admirável mundo de pais e mães, filhos e irmãos, ódios e amores. Revela os pesadelos de um cancro injusto, mas não abdica do que é humano e essencial, o sonho. 

OPINIÃOhttp://www.branmorrighan.com/2015/04/opiniao-noite-silenciosa-predadores-da.html
Stryker já avisou que está a reunir as suas forças. Enquanto o mundo avança inconsciente, Stryker, que lidera um exército de demónios e vampiros, conspira para lançar uma ofensiva contra os seus inimigos — que, infelizmente para nós, incluem toda a raça humana.
Para vingar a sua irmã, Stryker prepara-se para aniquilar os Predadores da Noite. Mas as coisas começam a correr mal quando o seu inimigo mais antigo regressa. Eis que chega a sua ex-mulher, Zephyra. Precisamente quando achava que nada o poderia parar, vê-se embrenhado numa guerra secular com uma mulher que dá um novo significado à palavra «dor».
Estão a ser traçadas novas linhas de batalha, enquanto os Predadores da Noite se reúnem para uma novo confronto, numa NOITE SILENCIOSA.


Muitas batalhas são vencidas nos campos do coração
O General Amadeus Barnard, da Cavalaria Ligeira da Grande Armée de Napoleão tinha um título de nascimento.
Propriedades.
Uma biblioteca preciosa.
Era um herói nacional.
Bonito como o diabo...
Adeline Boissinot só tinha dois vestidos. Não: apenas um vestido: o que trouxera no corpo quando rumara até Paris, atrás de um sonho que nunca se realizaria... 
O outro, o vestido castanho que ela usava durante o dia e fora adaptado para o seu corpo delicado, era o vestido da criadagem. 
E ele era o seu patrão.


15 Histórias verdadeiramente peregrinas, que apresentam caminhos inovadores para a resolução de problemas com que a sociedade atual se confronta. 15 Contos carregados de originalidade que nos fazem sonhar desmedidamente com um Mundo melhor — mais justo, e mais solidário e humanizado. 15 Utopias que marcam os territórios livres de egoísmo onde a lei suprema é a de sermos felizes.


The Manor, o local onde começou a sua história de amor apaixonada, enche-se de convidados para o que deverá ser o dia mais feliz das vidas de Ava e Jesse. Ela aceitou que nunca conseguirá domar o lado selvagem de Jesse, e também não o deseja fazer. O seu amor é profundo, sua ligação poderosa, mas quando pensa que por fim tudo está bem, de súbito surgem mais dúvidas e perguntas, levando Ava a suspeitar que Jesse Ward poderá não ser o homem que pensa que é. Ele sabe como levá-la para um lugar além do êxtase… mas também a conduzirá ao desespero? É chegada a hora de este homem se confessar. Amor, intensidade, intriga e desespero na conclusão da trilogia que apaixonou milhares de leitores em Portugal e todo o mundo.


Prémio Ler/Blogtailors Melhor Livro Prémio SPA Melhor Ficção Narrativa Grande Prémio da Associação Portuguesa de Escritores (APE) Vencedor do Prémio Fernando Namora 2011   A primeira epopeia portuguesa do século XXI Prefácio de Eduardo Lourenço. «“Uma Viagem à Índia", com consciência aguda da sua ficcionalidade, navega e vive entre os ecos de mil textos-objectos do nosso imaginário de leitores. Como todos os grandes livros, e este é um deles.»Eduardo Lourenço Uma edição cartonada, particularmente cuidada que inclui mapas finais que servem como índice onomástico e como «guia de leitura/súmula, definidos pelo próprio autor. Gonçalo M. Tavares nasceu em 1970 e publicou a sua primeira obra em Dezembro de 2001. Desde aí já conquistou a crítica, uma legião de leitores e vários prémios nacionais e internacionais – Prémio Portugal Telecom (Brasil), Prémio José Saramago, Prémio LER/Millennium BCP, Prémio Branquinho da Fonseca, Prémio Revelação de Poesia e Grande Prémio de Conto da APE, Prémio Internazionale Trieste (Itália) e Prémio Belgrado Poesia (Sérvia). Foi ainda nomeado para o Prix Cévennes 2009 – Prémio para o melhor romance europeu (França).


Este guia é um convite a mudar a energia que o rodeia, a encontrar a harmonia, a descobrir o seu propósito de vida e as infinitas possibilidades que esperam por si. A assinatura de alma é o nosso ADN espiritual – é quem somos na nossa essência, a arte mais autêntica de quem somos, a nossa contribuição pessoal neste mundo. Panache Desai relembra-nos que somos energia e que as emoções são energia em movimento. Quando estamos bloqueados, sentimo-nos inferiores, mal-amados, incompletos.


"Com trinta e poucos anos, Chris já visitou mais de 175 países –, porém nunca teve um «emprego a sério» ou um ordenado fixo. Em vez disto, tem um génio especial para transformar ideias em fontes de rendimento e usa o que ganha para suportar a vida aventureira que leva e ajudar os outros. Nas suas viagens já identificou mais de 1500 pessoas que lançaram negócios com investimentos bastante modestos (muitas vezes 100 euros ou menos) mas que lhes rendem cerca de 40.000 euros anuais. Desse grupo, decidiu destacar os 50 estudos de caso mais representativos. Em quase todos estes casos, pessoas sem qualquer qualificação específica descobriram, nos seus passatempos, características que podiam ser rentabilizadas e conseguiram mudar de vida, ter liberdade e uma maior realização pessoal. Este livro condensa lições preciosas daqueles que conseguiram. "


Quando Chris Guillebeau se propôs a visitar todos os países do planeta aos 35 anos, nunca imaginou que a maior revelação da sua viagem seria a descoberta de inúmeras pessoas que, com ele, procuravam ultrapassar um desafio que haviam colocado a si próprias. Os desafios eram tão diversos quanto a diversidade humana: a busca pela excelência desportiva ou artística, a luta contra a injustiça, pobreza ou ameaças ambientais. Ou apenas viver uma vida diferente. Em todos os lugares Chris encontrou pessoas comuns que trabalhavam para atingir objetivos extraordinários, chegando cada vez mais próximas dos seus sonhos. Quanto mais explorava, mais compreendia que viver a perseguir um sonho é uma forma de ser feliz. Um livro que nos desafia a tomar controlo, a dar um sentido à nossa vida sem nunca esquecer o compromisso que daí advém, "A Felicidade de Perseguir os Seus Sonhos" é um manual de instruções que irá inspirar qualquer leitor, seja qual for a sua idade ou objetivo.


Na Sombra das Palavras” reúne cinco contos de autores portugueses, combinando thriller e fantástico em histórias de amor, memórias esquecidas e encontros com a Morte e Deus. As palavras transportam o leitor para labirintos, panópticos, livrarias e memórias longínquas. Com contos da autoria de Ângelo Teodoro, David Camarinha, Fábio Ventura, João Ventura e Mário Seabra.

0 comentários