Opinião: Maze Runner - A Cura Mortal (Maze Runner #3), de James Dashner

Maze Runner - A Cura Mortal (Maze Runner #3) James Dashner Editora : Editorial Presença Sinopse : Thomas atravessou o Labirinto...

Maze Runner - A Cura Mortal (Maze Runner #3)
James Dashner

Editora: Editorial Presença

Sinopse: Thomas atravessou o Labirinto; sobreviveu à Terra Queimada. A CRUEL roubou-lhe a vida, as memórias, e até mesmo os amigos. Mas agora as Experiências acabaram, e a CRUEL planeia devolver as memórias aos sobreviventes e completar assim a cura para o Fulgor. Só que Thomas recuperou ao longo do tempo muito mais memórias do que os membros da CRUEL julgam, o suficiente para saber que não pode confiar numa única palavra do que dizem. Conseguirá ele sobreviver à cura? 


Opinião: Eis que chega o tão aguardado final da trilogia Maze Runner. Se há pouco tempo saiu o primeiro filme para nos avivar a memória do que já ficou para trás, com a leitura deste último volume ficamos um pouco desamparados. As perguntas que se levantam ao longo de toda a leitura são sempre mais do que as respostas que obtemos. As hipóteses possíveis para cada momento da acção parecem infinitas. Depois de tantas provações, de testes e mais testes, memórias traiçoeiras e lutas incessantes, Thomas tem um novo rio de decisões para tomar. 

Um quarto branco e uma sensação de que algo está errado. É assim que Thomas começa a testemunhar aquele que é o início do fim da sua ligação à CRUEL. Ou será que esta alguma vez desaparecerá? Sim, as questões começam logo de início, mas quando vemos o Homem Rato a dizer que as experiências acabaram, os alarmes disparam e a cada linha que ia lendo, a desconfiança era a palavra de ordem em total sintonia com a mente do nosso protagonista. Querem-lhes restituir as memórias. Que a partir desse momento tudo se tornará claro e a cooperação um desejo, mais do que uma obrigação. 

O mundo de Maze Runner é assustador na medida em que não é difícil de imaginar um cenário real em que partes governamentais decidem lançar um vírus para controlo de população e isso corre mal. As experiências, por exemplo, já são uma realidade, mesmo que muito bem calada e disfarçada. É toda esta envolvente realista, narrada através de uma distopia, que nos faz ficar presos à leitura. A acção em si, nesta contagem decrescente, foi sendo um pouco previsível, por vezes, pareceu-me, forçada. Percebi que o autor queria causar impacto em certos momentos, mas dado todo o historial das personagens, estava à espera de algo mais fluido, mais... forte. Não obstante, segui a bom ritmo e com grande intensidade.

A violência é uma das componentes viu reforçadas as descrições, com uma imagética muito forte, transportando-nos para a pele dos personagens, entranhando-nos as suas emoções na nossa mente. Este é um ponto muito forte na escrita da Dashner. O fim, em si, podia ser mais um começo, é daqueles pontos finais que mais parecem reticências e que antecipam uma continuação. Não havendo esse volume póstumo, ficam as conjecturas, as interpretações próprias. Acho que é uma trilogia que vale a pena ler pelas várias razões que fui enumerando ao longo destas três opiniões. Se há quem ache que o género Fantástico é um género menor, eu sou da opinião que existem obras deste género que dão demasiado que pensar, que mexem muitas vezes com o subconsciente de cada um. Maze Runner é uma dessas obras. 

2 comentários