Em Janeiro pela Quetzal: Mal-entendido em Moscovo, de Simone de Beauvoir & Reedição de O Segundo Sexo

Mal-entendido em Moscovo Simone de Beauvoir  Género : Romance Tradução : Sandra Silva N.º de páginas : 96 Data de lançamento...


Mal-entendido em Moscovo
Simone de Beauvoir 

Género: Romance
Tradução: Sandra Silva
N.º de páginas: 96
Data de lançamento: 23 de janeiro
PVP: 13,30€
ISBN: 9789897222061

Redescobrir uma grande escritora

LIVRO
Inicialmente escrita para integrar a recolha La Femme Rompue (com a edição portuguesa intitulada A Mulher Destruída), esta novela acabou por ser excluída do referido livro.
Pela pertinência e atualidade do tema e pelo riquíssimo diálogo que o mesmo mantém com toda a obra de Beauvoir, este texto merecia, sem qualquer dúvida, uma edição autónoma.
Mal-entendido em Moscovo evoca a crise vivida por um casal de meia-idade ao longo de uma viagem à União Soviética: a deceção política cruza-se com um aparente desencontro sentimental, ligando a história individual à história coletiva.

No mesmo dia, chega às livrarias uma nova edição de O Segundo Sexo (volume 1). Mais de 60 anos volvidos sobre a sua primeira publicação, os temas que Simone de Beauvoir discute neste célebre tratado sobre a condição da mulher continuam a ser pertinentes e a manter aceso um debate clássico. Entretecendo argumentos da Biologia, da Antropologia, da Psicanálise e Filosofia, e outras áreas de saber, O Segundo Sexo revela os desequilíbrios de poder entre os sexos e a posição do «Outro» que as mulheres ocupam no mundo.
O Segundo Sexo é uma obra essencial do feminismo, e as suas considerações acerca dos condicionamentos sociais que levam à construção de categorias como «mulher» ou «feminino»


AUTORA
Simone de Beauvoir nasceu em Paris, em 1908, no seio de uma família burguesa, e era a mais velha de duas irmãs. Morreu em Paris, em 1976. Estudou Filosofia na Sorbonne, onde conheceu Jean-Paul Sartre, companheiro de toda a vida e com quem viveu uma relação célebre pelos seus padrões de abertura e honestidade. No final da Segunda Guerra Mundial, editou a revista política Les Temps Modernes, fundada por Sartre e por Merleau-Ponty, entre outros. Foi ativista no movimento francês de emancipação das mulheres, nos anos de 1970, e serviu de modelo e de influência aos movimentos feministas posteriores. Simone de Beauvoir ganhou o Prémio Goncourt em 1954 com Os Mandarins, cujo herói se inspira na figura de Nelson Algren, com quem manteve um longo e intenso romance.
Autora de uma vasta obra literária, filosófica e autobiográfica, Simone de Beauvoir publicou, em 1949, O Segundo Sexo, texto basilar do feminismo contemporâneo, disponível em Portugal com a chancela Quetzal.

0 comentários