[Playlist da Quinzena] 16 a 30 de Abril de 2015 - As Escolhas de Frederico Severo (Miss Titan & Moe's Imposion)

Fotografia por Sofia Teixeira Frederico Severo, ou Fred LeChuck Severo como é conhecido nas redes sociais, é uma espécie de polvo no q...

Fotografia por Sofia Teixeira

Frederico Severo, ou Fred LeChuck Severo como é conhecido nas redes sociais, é uma espécie de polvo no que toca a áreas em que está envolvido. Se academicamente já andou pelo Imperial College of London e pela universidade de Edimburgo, musicalmente também não lhe falta currículo sendo que actualmente toca pelos Moe's Implosion e Miss Titan. Se numa toca baixo, na outra vemo-lo de guitarra, mas quando se trata de compor é o homem dos 1001 ofícios e desenrasca-se com quase todos os instrumentos. Esta quinzena coube-lhe a ele, como se não tivesse mais nada que fazer, mas quando descobri parte dos seus gostos musicais achei que seria uma boa "aquisição" aqui para a rubrica, para além de ser um porreiro. Aproveito para também deixar os links para os seus projectos e vos aconselhar a darem-lhes uma oportunidade, valem a pena: https://www.facebook.com/moesimplosionhttps://www.facebook.com/misstitan




1. BADBADNOTGOOD & Ghostface Killah - Gunshowers (feat. Elzhi) - (Sour Soul, 2015)
É impossível não gostar deste disco. É mesmo impossível. Difícil é escolher uma faixa. Ouçam esta e depois vão lá ouvir o resto.


2. Rocket Juice & The Moon - Poison (Rocket Juice & The Moon, 2012)
Juntas o Damon Albarn, o Flea e o Tony Allen e sai isto. Esta faixa deve ser a única que tem a remota possibilidade de agradar a alguém à primeira, daí a escolha. O resto do disco junta a Erykah Badu aos Hypnotic Brass Ensemble, a Fatoumata Diawara ao M.anifest, e soa tudo muitíssimo bem, como seria de esperar.


3. Little Dragon - Klapp Klapp - (Nabuma Rubberband, 2014)
Vou ser sincero: não me é muito fácil apreciar completamente o conceito do minimal. Foi preciso ouvir a Yukimi Nagano a cantar no Plastic Beach de Gorillaz para descobrir uma banda que, finalmente, fizesse sentido. O último disco (chama-se Nabuma Rubberband) embora fuja um pouco a esse lado, é incrível. Klapp Klapp é o primeiro single tem tudo certo, incluindo um vídeo que envolve cemitérios e arame farpado.


4. BADBADNOTGOOD - Bastard/Lemonade (BBNG2, 2012)
Outra vez estes? Pois. Estes rapazes vieram do Canadá e deram-me uma das melhores experiências que já tive ao vivo. Em 2013, num buraco para 60/70 pessoas (2 dias depois de tocarem em Glastonbury), levei com pouco mais de uma hora de chapadas Eles são bons. E sabem que são bons. Como diz no disco "No one above the age of 21 was involved in the making of this album. This album was recorded in one 10 hour session.” Até irrita.


5. TV on the Radio - Happy Idiot (Seeds, 2014)
Adoro este disco. Do princípio ao fim. Não me entrou à primeira, nem à segunda, talvez nem à terceira. Mas quando entra, jesus. Os próprios acham que é, com 1000% de certeza, o melhor disco que já fizeram. 1000% é muito. Vou ter de concordar.


6. Blur - Caramel - (13, 1999)
Chegou o ano de 1999 e os Blur decidiram mostrar a toda a gente que não existe uma banda como eles. Tudo soa mal neste disco. Só não percebo porque é que soa tão bem.


7. Vasquez - Low to be Heavy (EP426, 2013)
Três Edimburgueses bem parecidos, cheios de boas ideias e com muito pouco estilo. Como tudo o que é bom acaba, anunciaram o fim da banda há uns meses. Fica o consolo de saber que os vi ao vivo e vocês não.


8. O Bisonte - Midas (Abril, 2014)
O Bisonte fez, sem grandes dúvidas, o melhor disco que ouvi no ano passado. Midas é um pontapé no escroto do rock português que dificilmente se voltará a repetir. Que esteja enganado.


9. Danger Doom - Crosshairs (The Mouse and the Mask, 2005)
Danger Mouse e MF Doom, não há muito para correr mal. Crosshairs é aquela música que todos conhecemos mas não sabemos de onde, que fica na cabeça durante uns meses e nunca nos conseguimos lembrar exactamente onde é que a ouvimos. Também não vou ser eu a dizer. Digo antes que o sample que se ouve no início da música é de um tal de Don Harper. Procurem que vale a pena.


10. Fiona Apple - Every Single Night (The Idler Wheel Is Wiser Than the Driver of the Screw and Whipping Cords Will Serve You More Than Ropes Will Ever Do, 2012)
A Fiona Apple leva para casa, entre outros, o prémio de melhor nome para disco, categoria "mais que 10 palavras". The Idler Wheel... são 10 músicas com algumas das melhores letras e arranjos que já me passaram pelos ouvidos. Every Single Night é talvez a faixa que melhor descreve o sentimento deste disco. A menina que fazia versões dos Beatles e vídeos com um então desconhecido Zach Galifianakis, é muito mais do que isso.


11. Alpha Male Tea Party - Truffles (REAL ALE AND MODEL RAIL: THE LONELY MAN'S GUIDE TO NOT COMMITTING SUICIDE, 2014)
Outro power trio, agora de Manchester, desta vez com o segundo lugar do prémio de melhor nome para disco. Se a expressão partir choco alguma vez vier numa enciclopédia, os AMTP estão na fila da frente para estar na foto descritiva.


12. Snarky Puppy - Shofukan (We Like It Here, 2014)
Imaginem a Liga dos Campeões. Agora imaginem uma equipa só com Ronaldos naqueles dias em que joga bem. É isto.


13. Kimbra - Teen Heat - (The Golden Echo, 2014)
É a Kimbra, tive de escolher uma faixa de forma mais ou menos aleatória. Kimbra Lee Johnson, Kimbra para os amigos, tem 25 anos, uma album de estreia fantástico e um segundo disco ao lado de tudo o que se podia esperar. Esta faixa, Teen Heat, já desse segundo disco, é uma espécie de versão musicada de um eventual "How to make a Pop song for Dummies", com uma mãozinha do senhor Daniel Johns.


0 comentários