Sobre a Apresentação d'A Espia do Oriente, de Nuno Nepomuceno, na FNAC Colombo (com Fotografias Gil Cardoso)

Foi na passada Quarta-feira, pelas 19h, que a segunda obra do escritor, e amigo, Nuno Nepomuceno foi apresentada na FNAC Colombo. Na mes...


Foi na passada Quarta-feira, pelas 19h, que a segunda obra do escritor, e amigo, Nuno Nepomuceno foi apresentada na FNAC Colombo. Na mesa, e por ordem, o editor Fernando, eu, o autor e a Vera Brandão, mais conhecida como A Menina dos Policiais! Numa onda de boa disposição e algum nervosismo, a sessão correu bastante bem e os sorrisos estiveram na ordem do dia. 

Se o percurso de Nuno Nepomuceno na nossa literatura começou como vencedor de um prémio literário, também é sabido que nem sempre um prémio numa primeira obra significa que o caminho se torne mais fácil ou sequer que se consiga publicar mais. O Nuno tem sido a prova viva do que é lutar por um sonho que merece ser tornado realidade. A aceitação do seu primeiro livro O Espião Português foi excelente. Rapidamente os fãs se uniram para apoiar o autor na publicação da continuação da série. A verdade é que o género policial/thriller/espionagem tem bastantes fãs em Portugal, mas são poucas as editoras que apostam em autores portugueses que escrevam dentro do género. Seguiu-se então uma luta por um lugar no mercado para A Espia do Oriente que, de forma inteligente, a TopBooks aceitou dar. 

Tenho para mim que o Nuno é um dos nossos escritores mais talentosos e com uma margem de progressão sem limites. E não, não é por ser meu amigo que digo estas coisas, a amizade chegou muito depois de o ter lido pela primeira vez. Depois ainda existem os pequenos pormenores... Já tenho feito apresentações de livros, mas quantos autores presenteiam as suas apresentadoras/bloggers/amigas com um ramo de flores e ainda uma caixa de chocolates deliciosos?  

Sendo comum na minha opinião e na Vera, fica a nota de que estamos perante um escritor que vale a pena apostar e apoiar. Foi um orgulho não só ter sido convidada como ainda fazer parte deste processo todo. O Nuno merece, sem dúvida alguma, que tudo corra de forma tão grandiosa como é o seu coração. Em tom mais pessoal, foi óptimo rever algumas caras conhecidas de outros blogues e ainda conhecer, finalmente como deve ser, a Mónica Mil-Homens e o seu Gustavo, que têm o blogue Biblioteca Mil. Duas pessoas fantásticas com quem se tornou compulsivo trocar ideias. 
Deixo-vos com algumas das fotos que se tiraram nesse dia:















0 comentários