Valter Hugo Mãe - Reedições com Capas e Prefácios de Grandes Autores

Depois de ter publicado os inéditos A Desumanização (romance, 2013) e O paraíso são os outros (conto, 2014), a Porto Editora prepara-s...


Depois de ter publicado os inéditos A Desumanização (romance, 2013) e O paraíso são os outros (conto, 2014), a Porto Editora prepara-se para lançar novas edições de todos os romances de Valter Hugo Mãe, há um ano fora do mercado, com prefácios de grandes autores internacionais. A 12 de junho, chegam às livrarias – e à Feira do Livro de Lisboa – o nosso reino, com prefácio do grande poeta brasileiro Ferreira Gullar, Prémio Camões em 2010, o remorso de baltazar serapião, com abertura do Nobel José Saramago (o discurso de atribuição do Prémio Literário José Saramago 2007), e O filho de mil homens, prefaciado pelo argentino Alberto Manguel. 

Para uma segunda fase, está prevista a publicação de novas edições de o apocalipse dos trabalhadores e de a máquina de fazer espanhóis, também com prefácios de personalidades de inegável prestígio. A ligação de Valter Hugo Mãe às artes plásticas, em geral, e à ilustração, em particular é conhecida. Por via desse gosto, a tetralogia composta por o nosso reino, o remorso de baltazar Serapião, o apocalipse dos trabalhadores e a máquina de fazer espanhóis terá capas – desenvolvidas pela equipa de design da Porto Editora – que integram ilustrações da artista plástica islandesa Ingibjörg Birgisdóttir. O filho de mil homens tem um conceito gráfico semelhante, mas a capa tem uma ilustração da portuguesa Daniela Nunes.

DOS PREFÁCIOS
«uma escrita altamente sofisticada, como um poema em prosa»
Ferreira Gullar, no prefácio a o nosso reino

«Este livro é um tsunami. (…) Este livro é uma revolução.»
José Saramago, no prefácio a o remorso de Baltazar Serapião

«desdobramento magistral de personagens estranhas e únicas»
Alberto Manguel, no prefácio a O filho de mil homens

AUTOR
Valter Hugo Mãe é um dos mais destacados autores portugueses da atualidade. A sua obra está traduzida em várias línguas, merecendo um prestigiado acolhimento em países como o Brasil, a Alemanha, a Espanha, a França ou a Croácia. Publicou seis romances: A desumanização; O filho de mil homens; a máquina de fazer espanhóis (Grande Prémio Portugal Telecom – Melhor Livro do Ano e Prémio Portugal Telecom Melhor Romance do Ano); o apocalipse dos trabalhadores; o remorso de baltazar serapião (Prémio Literário José Saramago) e o nosso reino. Escreveu alguns livros para todas as idades, entre os quais: O paraíso são os outros; As mais belas coisas do mundo e O rosto. A sua poesia foi reunida no volume contabilidade, entretanto esgotado.
Publica as crónicas Autobiografia Imaginária no Jornal de Letras e Casa de Papel na Revista 2, suplemento de domingo do jornal Público. Apresenta um programa de entrevistas no Porto Canal. Outras informações sobre o autor podem ser encontradas na sua página oficial no Facebook.

0 comentários