Opinião: O Mar Infinito (A 5ª Vaga #2), de Rick Yancey

O Mar Infinito (A 5ª Vaga #2) Rick Yancey Editora : Editorial Presença Colecção : Via Láctea #123 Sinopse : Segundo volume da...

O Mar Infinito (A 5ª Vaga #2)
Rick Yancey

Editora: Editorial Presença
Colecção: Via Láctea #123

Sinopse: Segundo volume da trilogia A 5.ª Vaga. Com a espécie humana quase extinta e com a quinta vaga em marcha, Cassie Sullivan e os seus companheiros têm de tomar uma decisão crucial: enfrentar o duro inverno e ficar à espera que Evan Walter, que nem tão-pouco sabem se ainda está vivo, regresse ou partir à procura de mais sobreviventes, porque o próximo ataque de os Outros é mais do que possível, é inevitável…


Opinião: O Mar infinito é o segundo livro da trilogia intitulada 5ª Vaga. Na primeira obra somos situados numa pós-destruição massiva da raça humana. Ninguém sabe em quem é que pode confiar, a probabilidade de encontrar alguém pertencente aos Outros em vez de alguém "normal" é quase total e o maior perigo reside nos "Silenciadores", seres dotados de características humanas melhoradas (como melhor visão, maior rapidez e força, regeneração rápida, etc.), cuja missão é apenas matar ou capturar os humanos que restem. É no meio do caos, de uma batalha acabada de ser travada, com consequências para todos os envolvidos, que esse primeiro capítulo termina e que agora O Mar Infinito retoma. 

Quando terminei esta leitura lembrei-me de algo que li aqui há tempos sobre o Síndrome do Segundo Livro. Não sei se cá em Portugal esta terminologia é aplicada, mas sinceramente foi isso que senti quando o pousei. Eu gostei, muito mesmo, do 5ª Vaga. As personagens tão diferentes umas das outras, o enredo bem construído, uma linha de acção que nos prendia de sobremaneira, etc. Penso que talvez tenham sido as reviravoltas, ou a forma como Rick Yancey decidiu apresentar as diferentes frentes da história, que me baixaram um pouco o entusiasmo. Por outro lado temos a escrita que, independentemente de estar a gostar ou não do rumo da trama, é fantástica. O escritor tem uma capacidade imensa de passar certas mensagens de forma tão visual, tão crua e recta que o impacto é directo no leitor. 

Gostei da evolução de Ringer, para mim a verdadeira protagonista desta obra, e não Cassie. A narrativa em si, de capítulo em capítulo, vai tendo perspectivas diferentes de vários dos personagens, mas é Ringer quem assume a parte mais fria, mais analítica, de tudo o que os rodeia e é também quem sofre as maiores consequências. O romance entre Cassie e Evan ficou interessante apenas quando abordado pelo ponto de vista deste último, a Cassie que acompanhamos ao longo destas quase 300 páginas consegue ser um pouco irritante. É a aura de mistério à volta do que move Evan e do porquê de continuar aficcionado em Cassie que também dá combustível ao desenrolar dos acontecimentos, mas desde cedo novos factores entram em jogo e tudo o que julgávamos saber sobre este universo e sobre os Outros é posto em causa. 

Resumindo, só não gostei tanto deste livro porque o primeiro está mesmo muito bom e neste parece haver uma quebra considerável. O último terço do livro foi o que mais me entusiasmou, o cérebro estava a mil com as possibilidades e com o mistério prestes (ou não) a ser desvendado! Estou verdadeiramente curiosa pelo terceiro livro e só aí conseguirei fazer um verdadeiro balanço da trilogia que, para já, continua positivo. Venha o próximo e que ma faça ferver novamente o sangue a sério, coisa que este apenas conseguiu tentar, não com muito sucesso. Mas partilhem comigo as vossas opiniões, principalmente sobre a Ringer e o Evan! Boas leituras!

3 comentários