[DESTAQUE] Em Setembro, pela Quetzal: Talvez Esther, de Katja Petrowskaja

Talvez Esther  Katja Petrowskaja  Género: Romance   N.º de páginas: 256   Tradução: Telma Costa   Data de lançamento: 18 de ...


Talvez Esther 
Katja Petrowskaja 

Género: Romance  
N.º de páginas: 256  
Tradução: Telma Costa  
Data de lançamento: 18 de setembro  
PVP: 16,60€  
ISBN: 978-989-722-220-7 

Uma história dos anos mais negros do século XX através do destino de cada um dos membros de uma família estilhaçada.  

Prémio Ingeborg-Bachmann e Prémio Strega Europeu  

LIVRO
Katja Petrowskaja cresceu no seio de uma família judia de Kiev, na Ucrânia, nos anos 1970. Da sua infância ficou-lhe um estranho sentimento de falta. O que é que não terá sido dito à mesa das refeições em família? Em que reentrâncias da História terão ficado retidos os seus antepassados, cujos nomes não se pronunciavam? Talvez Esther é o resultado dessa procura das origens. Ficaremos a saber que um tio-bisavô – autor de um atentado contra um embaixador alemão – poderá ter desencadeado a Segunda Guerra Mundial; que um avô prisioneiro de guerra reapareceu 40 anos mais tarde; ou que uma bisavó, que talvez se chamasse Esther, em Kiev, em 1941, se dirigiu sozinha à ravina de Babi Yar, onde os ocupantes nazis eliminaram em massa todos os habitantes judeus da cidade, e não só.  
Através da história das suas personagens – que se desenrola entre Kiev, Mauthausen, Varsóvia e Auschwitz –, Petrowskaja traça os contornos de uma Mitteleuropa desaparecida e faz uma história do século XX, em que se alternam o claro e o escuro, a força e a fragilidade, a glória e a derrota.   

AUTORA 
Katja Petrowskaya nasceu em Kiev em 1970. Depois dos estudos em literatura na Estónia e, mais tarde, em Nova Iorque, Stanford e Moscovo, Petrowskaja instalou-se em Berlim, a partir de onde colabora, enquanto jornalista, com diversos jornais alemães e russos.  
Talvez Esther, o seu primeiro romance, foi galardoado com o prémio Ingeborg Bachmann 2013, o prémio Strega Europeu, em 2015, e será publicado em dezoito países. 

0 comentários