'As Primeiras Coisas', de Bruno Vieira Amaral é o vencedor do Prémio José Saramago 2015

Fotografia original de Paulo Sousa Coelho As Primeiras Coisas , de Bruno Vieira Amaral Prémio Literário José Saramago 2015 O romance...

Fotografia original de Paulo Sousa Coelho
As Primeiras Coisas, de Bruno Vieira Amaral Prémio Literário José Saramago 2015

O romance de estreia de Bruno Vieira Amaral, As Primeiras Coisas, é a obra vencedora da nona edição do Prémio Literário José Saramago.

Atribuído a cada dois anos pela Fundação Círculo de Leitores, desde 1999, o Prémio Literário José Saramago distingue jovens escritores de língua portuguesa que viram os seus livros publicados enquanto tinham 35 anos ou menos. Bruno Vieira Amaral, nascido em 1978, recebeu pelo seu As Primeiras Coisas (Quetzal, 2013), também, o Prémio Literário Fernando Namora, o Prémio PEN Clube Narrativa e a distinção livro do ano atribuída pela revista Time Out. O Prémio Literário José Saramago vem, pois, juntar o nome deste escritor ao de Paulo José Miranda, José Luís Peixoto, Adriana Lisboa, Gonçalo M Tavares, Valter Hugo Mãe, Andréa del Fuego e Ondjaki.

O anúncio foi feito ao meio-dia em ponto de dia 20 de outubro, na sede da Fundação José Saramago, por Guilhermina Gomes, presidente do júri, também composto por Ana Paula Tavares, António Mega Ferreira, Nelida Piñon e Pilar del Rio e, no seu Comité Executivo, Manuel Frias Martins, Nazaré Gomes dos Santos e Paula Cristina Costa.

AUTOR
Bruno Vieira Amaral é natural do Barreiro, onde nasceu no ano de 1978. Formado em História Moderna e Contemporânea pelo ISCTE, crítico literário e tradutor, assessor de imprensa no Grupo Bertrand Círculo, é o atual editor-adjunto da revista Ler. Começou por escrever no seu blogue, Circo da Lama, e em 2013 publica Guia Para 50 Personagens da Ficção Portuguesa, em 2015 Aleluia!, ambos na área do ensaio. As Primeiras Coisas é o seu primeiro romance. Editado entre os referidos ensaios, amplamente elogiado pela crítica como um novo valor de literatura portuguesa - José Rentes de Carvalho elogiou-lhe a escrita, de surpreendente, de rara e comovente beleza. Foi distinguido já com o Prémio de Livro do Ano da revista TimeOut, o Prémio Fernando Namora e o Prémio PEN Narrativa.

LIVRO

ENTREVISTA


0 comentários