[Diário de Bordo] Um dia em Dijon e os homens que temem as mulheres

Bom dia! Ontem não consegui escrever Diário de Bordo nenhum, a internet do hotel não quis colaborar e já cheguei tão cansada que só agor...


Bom dia! Ontem não consegui escrever Diário de Bordo nenhum, a internet do hotel não quis colaborar e já cheguei tão cansada que só agora, já na faculdade, é que estou a ter algum tempo para escrever umas linhas. Gostam da imagem do pequeno almoço? Estava tão booooooooom! Aqueles xaropes com pedaços de frutos vermelhos e exóticos é das coisas mais deliciosas! E os mini-crepes também estão sempre no ponto. O que não pode faltar desde que cá cheguei é aquele bocadinho de Nutella! O sentimento a comer Nutella, hoje em dia, é um pouco contraditório, já que sabemos que a sua produção leva a uma destruição considerável do ecossistema, mas é tão delicioso...! E pronto, cafezinho e/ou chazinho para completar, fruta para fechar e estamos on the go! 

Ontem foi então o primeiro dia do ciclo de conferências Complenet e correu tudo muito bem. Confesso que nem todas as apresentações foram interessantes, pelo contrário, mas o networking específico com alguns investigadores valeu a pena. Chegámos aqui à faculdade, depois de andarmos mais de meia hora a pé!, fizemos o nosso registo, ofereceram-nos o livro em que os nossos papers foram publicados, e seguimos para o anfiteatro. Sabem o que é que é mesmo bom nisto? Os coffee breaks! Eheheh, miniaturas disto e daquilo, café sempre disponível, chá também, etc. etc. Só é pena o frio que tem feito. Dentro do anfiteatro ainda se está mais ou menos, mas quando se sai daqui... 
Outra curiosidade evidente é que o mundo das conferências de Redes Complexas é maioritariamente masculino. É uma área muito interdisciplinar, sem dúvida, tem desde físicos a matemáticos, passando então pelos informáticos e se calhar há mais, eu é que ainda não conheci. Ser das poucas mulheres nestas sessões é sempre um misto de sensações. Passo a explicar. 

Ontem foi a sessão de Posters em que tanto eu como o meu colega nos pousámos, quais estátuas gregas, ao lado deles para que os interessados viessem então ler e fazer perguntas. Acho que ao todo falei com sete ou oito investigadores, cada interacção mais diferente da outra. Apanhei alguns realmente interessados e que discutiram comigo aspectos bem importantes da aplicação do meu trabalho, mas claro que houve pelo menos uma besta em que claramente o objectivo era tentar enterrar. Mais, senti aquela típica hostilidade de um gajo de computação que vê uma gaja sem bigode e até minimamente arranjada e convence-se logo que ela deve ser burra ou algo do género. Tive vontade de lhe dar com o portátil na tromba, mandá-lo à merda enquanto sorria e acabar com aquilo ali. Ahahah! Mas vá, a maior parte das interacções valeu mesmo a pena, sendo que é possível que venha a manter contacto ou a discutir certos tópicos no futuro com alguns deles. À noite tivemos uma recepção com cocktail no City Hall onde acabámos por conhecer alguns compatriotas brasileiros! Acabámos a jantar todos num restaurante que, mais uma vez, parecia não ter comida típica francesa, mas ser antes quase um italiano. Ainda não entendi bem como é que a gastronomia funciona aqui em Dijon, mas entre Kebabs por todo o lado com as pizzarias a igualarem em número, pode ser que um dia destes acerte! 

A caminhada para o hotel fez-se por entre ruas bem bonitas, em que já fiquei de olho numas catedrais bem catitas para depois visitar com calma. Agora tenho de prestar atenção aqui às apresentações para ver se aprendo alguma coisa nova! Beijos beijos e obrigada por estarem desse lado! 

0 comentários