[Diário de Bordo] Os benefícios de umas boas caminhadas

Não sabia bem que foto colocar neste post, mas já que a cara sugere assunto sério, aqui vamos nós. Há umas semanas voltei às minhas cami...


Não sabia bem que foto colocar neste post, mas já que a cara sugere assunto sério, aqui vamos nós. Há umas semanas voltei às minhas caminhadas. Os dias estão mais compridos, o sol espreita mais vezes - apesar da chuva irritante que tantas vezes tem assaltado este nosso Abril - e a verdade é que caminhar faz-me bem em vários sentidos. Não vou aqui enumerar todas as vantagens que esta actividade traz consigo, penso que toda a gente sabe que a nível de saúde, seja para manter ou perder peso, seja para o nossos sistema respiratório e circulatório, faz bem, muito bem. No que me quero focar, para além de todos os benefícios físicos, é nos benefícios mentais. 

Felizmente não sofro de depressão, apesar de já ter tido a minha dose de esgotamentos nervosos e de ter um contacto bastante próximo com a doença. O que acontece é que tenho um ritmo diário tão acelerado e uma actividade cerebral diária tão exigente que não são raras as vezes em que caio naquele buraquinho escuro, que às vezes parece não ter fundo à vista, e pequenos acessos de ansiedade ou de pânico tornam-se lugares comuns. Parece que o tempo não chega, que não sou boa o suficiente, que por mais que tente as coisas não se encaixam nos devidos lugares, que devia ser mais ou assim, ou menos assado, "mas que raio de errado se passa comigo"? Exagerada? Talvez, mas ao mesmo tempo nem por isso. Na verdade são emoções e pensamentos muito humanos. Toda a gente passa por fases menos boas ou mais stressantes. O problema está quando isso se torna diário. 

Caminhar tem-me ajudado a lidar com muita coisa, sempre ajudou. Descobri isso mais ou menos há um ano quando o meu melhor amigo morreu. A minha escapatória era mp3 no volume máximo, uma playlist mais ou menos pesada, e depois ia-me perder pelas ruas aqui do sítio. Ao início era só para expulsar toda aquela energia que me consumia e que não sabia como lidar com ela. Como vivo numa zona de alguma altitude, usava precisamente caminhos que puxassem mais para que o cansaço de alguma maneira vencesse aqueles pensamentos viciados e me desse alguma paz. O milagre do tempo é que com ele podemos ir aprendendo a como lidar com as coisas e a tirar partido delas. 

Estou inscrita num ginásio e no Inverno cheguei a frequentá-lo praticamente todos os dias. Como tinha deixado o basquetebol o meu corpo ressentiu-se bastante, para não falar da minha máquina (coração) que, devido a algumas particularidades, precisa de ser puxada com alguma regularidade para se manter a funcionar como deve ser. Mas eu odeio ginásios. Demasiadas pessoas, demasiados cheiros, demasiados olhares que não interessam, demasiados piropos dispensáveis, etc. etc. Safam-se as aulas de grupo que por serem curtas e intensas não dão espaço para grandes divagações. Mas lá está, chega o bom tempo e a mim só me apetece caminhar e correr a levar com o sol e o vento na tromba. Ando a tentar conjugar os dois. O ginásio para manter alguma massa muscular mais forte, as caminhadas para manter a parte cardio saudável e para também libertar o meu cérebro de algum peso.

O meu percurso consegue demorar até quase duas horas, dependendo do ritmo e se paro para tirar fotografias à zona ribeirinha e aos prédio abandonados. Nessas duas horas consigo fazer uma espécie de "decluttering" a vários aspectos da minha vida. Vejo o que é que está a correr bem e mal nas aulas que ando a leccionar, tento perceber como raio vou conseguir desenvolver os projectos de doutoramento, penso em como vou conjugar isso com o blogue e com toda a actividade que venho a desenvolver na Omnichord Records, e ainda tenho tempo para divagar sobre as minhas relações pessoais. É espectacular. Seja uma ou duas horas, estes momentos ao ar livre em que aproveito para ouvir discos novos, ou outros em que esteja viciada, servem para muito mais do que manter o corpo activo. E com o sol a dar-me na tromba (adoro esta expressão) tudo parece ter uma cor mais bonita e menos obscura e depressiva. Passar ao lado do rio, ver as árvores, olhar para a cidade ao longe, assistir ao pôr-do-sol, etc etc, parecendo que não é tipo bálsamo. 

Não sei se vocês têm hipótese de fazer algo do género. Se têm espaços verdes, rio, praia ou floresta, minimamente perto da vossa residência ou trabalho, mas se têm, experimentem. Vistam uma roupa leve, umas sapatilhas confortáveis, uma música que vos agrade e vai parecer que nem estão a fazer exercício. Já dei por mim a fazer caminhos mais longos só porque precisava de mais tempo para pensar e sabia que quando chegasse a casa, ou ao trabalho, já não ia ser a mesma coisa. Pode parecer muito tempo, mas mais vale uma ou duas horas a caminhar do que a deprimir em casa, acreditem. 

E pronto, hoje é este o meu contributo. Bem pessoal, talvez inútil, mais um desabafo que outra coisa, mas para mim tem sido uma espécie de salvação mental. Beijos!

PS: Hoje ouvi este disco umas três vezes em loop (sim, demorei algum tempo na caminhada de hoje). São dos portugueses Then They Flew e brevemente vão ouvir falar muito deles aqui no blogue. Fiquem atentos!

Destaque da Playlist de hoje:

0 comentários