[DESTAQUE] Em Maio, pela Porto Editora: O Peso do Coração, de Rosa Montero

O Peso do Coração Rosa Montero Tradutor: Helena Pitta Págs.: 176 PVP: 14,40 € Rosa Montero recupera detective androide Bru...


O Peso do Coração
Rosa Montero

Tradutor: Helena Pitta
Págs.: 176
PVP: 14,40 €

Rosa Montero recupera detective androide Bruna Husky em novo livro
O Peso do Coração passa-se no século XXII, mas é um dos romances mais realistas da autora

No dia 16 de maio a Porto Editora lança O Peso do Coração, o mais recente romance de Rosa Montero e um dos seus livros mais realistas, ou não fosse a ficção científica «uma ferramenta poderosíssima para falar do mundo e das suas possibilidades». Aqui encontramos os temas fundamentais na obra da autora – a identidade, a memória, o dogmatismo e a morte –, num livro que é simultaneamente um thriller, uma distopia, uma história de amor e uma reflexão sobre o peso da vida e a criação literária. «Os humanos são lentos, paquidermes e pesados, ao passo que os replicantes são tigres rápidos e desesperados», assim começa este livro que recupera a personagem favorita da autora, Bruna Husky. E é através dessa detetive androide, apresentada em Lágrimas na Chuva, que a autora dá voz às suas inquietações em temas como a morte, a corrupção e a destruição do meio ambiente. Rosa Montero vai estar em Portugal para participar na Viagem Literária de dia 19, no Teatro José Lúcio em Leiria, com Sérgio Godinho, e no Porto de Encontro, a 22 de maio, no Teatro do Campo Alegre, no Porto, passando ainda por Lisboa para contactos com a comunicação social.

LIVRO
Três anos, dez meses e vinte e um dias.
É o tempo que resta a Bruna Husky. A detetive replicante, que é uma sobrevivente capaz de tudo, continua a debater-se com a independência total e a necessidade desesperada de carinho, como uma fera aprisionada na jaula de uma existência a prazo. Contratada para resolver um caso aparentemente simples e lucrativo, Bruna vê-se envolvida numa trama de corrupção internacional de tal forma sinistra e ameaçadora que pode comprometer a existência da própria Terra. Num futuro no qual os direitos, outrora considerados essenciais, se tornaram reféns do dinheiro, a replicante revela-se uma guerreira empenhada na luta contra esquemas de organização social baseados em preconceitos, regras rígidas e fanatismo, que põem em causa a existência de todos os seres. O Peso do Coração é um romance distópico que, a partir do debate claro e atual das consequências das opções do presente, reflete de forma madura sobre as condições de vida e da morte, e sobre aquilo que é, na essência, a própria definição de humanidade, constituindo um regresso extraordinário ao mundo fascinante de Lágrimas na Chuva.

AUTORA
Rosa Montero nasceu em Madrid em 1951 e estudou Jornalismo e Psicologia. Desde 1976 que colabora em exclusivo com o jornal El País, tendo obtido em 1980 o Prémio Nacional de Jornalismo e em 2005 o Prémio Rodríguez Santamaría de Jornalismo, como reconhecimento dos méritos de toda a sua carreira profissional. Figura central da literatura espanhola contemporânea, a sua vasta obra de romancista está traduzida nas mais diversas línguas. Por A Louca da Casa recebeu o Prémio Grinzane Cavour de literatura estrangeira e o Prémio Qué Leer para o melhor livro espanhol, distinção que também lhe foi atribuída, em 2006, por História do Rei Transparente.
Página da autora: www.rosa-montero.com

IMPRENSA
Creio que Lágrimas na Chuva e O Peso do Coração são os romances mais realistas que escrevi. A ficção científica é uma ferramenta poderosíssima para falar deste mundo e das suas possibilidades. Rosa Montero para o ABC 

A primeira e cada vez mais promissora distopia noir deste século. El Cultural

O mais interessante – e o mais ousado – destes dois romances é a ausência de preconceitos […] e a facilidade com que a autora consegue que continuem a ser, na sua essência, romances de Rosa Montero. El País

Uma maravilhosa parábola sobre o mundo em que vivemos. nuevatribuna.es 

Com Bruna Husky, Rosa Montero criou uma das personagens mais marcantes da sua extensa trajetória. El Periódico de Catalunya


A Ridícula Ideia de Não Voltar a Ver-te

0 comentários