Novo disco dos Riding Pânico - "Rabo de Cavalo" - Já Disponível Online

"Rabo de Cavalo" está disponível, a partir de hoje, no bandcamp da banda. O terceiro disco do colectivo é lançado a 16 de Març...


"Rabo de Cavalo" está disponível, a partir de hoje, no bandcamp da banda. O terceiro disco do colectivo é lançado a 16 de Março no Musicbox em Lisboa e estará, em tour nacional, até ao Verão. Gravado, misturado e masterizado no HAUS estúdio, "Rabo de Cavalo" constrói-se em torno de oito temas que reafirmam o espaço de culto que os Riding Pânico assumiram no rock instrumental nacional. Os Riding Pânico são Fabio Jevelim (PAUS), João Nogueira (Cruzes Credo), Makoto Yagyu (PAUS), Miguel Abelaira (Quelle Dead Gazelle), Shela (LAmA) e Zé Penacho (Marvel Lima).



O single, "Rosa Mota" já pode ser ouvido e visto no vídeo com realizaçao de Frederico Miranda e produção TODOS.


Pensar que tudo começou numa incendiária tarde de 2004 é um exercício que tanto tem de nostálgico como de fútil. Se, por um lado, dá um certo gozo notar que foi daqui que brotaram dezenas de experiências no underground português, quer pela sua influência, quer pela sua própria mão, por outro os Riding Pânico não se detiveram nunca naquilo que já foi, e sim naquilo que pode ser no presente. Daí a distância que vai entre um disco e o outro, sendo Rabo de Cavalo “apenas” o terceiro da sua carreira. A música dos Riding Pânico, supergrupo no inverso (já que os seus membros se tornaram, grosso modo, “super” a partir de projectos posteriores) não se delimita pelo tempo, e sim pela ideia; não é arbitrária, volátil, e sim fusão da velocidade de uma faísca com a vontade eléctrica de se ser, para sempre, como naquela tarde em que um grupo de amigos procurou o que não encontrava em mais lado algum. Res ipsa loquitur: o grupo de amigos foi-se alterando ao longo do tempo, mas não a sua ideia. Em Rabo de Cavalo, os riffs correm como uma água-viva, a bateria perde-se e parte-se, o groove ainda pulsa, qual coração de criança, sob um caos improvisado. Tudo em nome de um espírito indecifrável, de um rock que, mais que ser pós- qualquer coisa, é única e exclusivamente Portugal, sobretudo da sua sombra, do que não está imediatamente ao alcance. Tudo porque o pânico não é controlável: cavalga-se.

Paulo Cecílio

0 comentários