Em Maio, pela Bertrand: Pussy, de Howard Jacobson, um romance escrito na fúria da descrença

Pussy Howard Jacobson Género: Literatura / Romance Tradução: Vasco Teles de Menezes ormato: 15 x 23,5 cm N.º de páginas: 21...


Pussy
Howard Jacobson

Género: Literatura / Romance
Tradução: Vasco Teles de Menezes
ormato: 15 x 23,5 cm
N.º de páginas: 216
PVP: € 15,50
ISBN: 978-972-25-3411-6

«Pussy», um romance escrito na fúria da descrença
Howard Jacobson, no seu melhor estilo, satiriza a política americana, em busca de uma explicação para a eleição de Trump

Nos dias que se seguiram à última eleição presencial norte-americana, Howard Jacobson, o autor de «Shylock é o Meu Nome» e de «J», escreveu «Pussy», um romance cómico que, segundo o autor, tem como objetivo, oferecer aos leitores «a consolação da sátira selvagem». Em resposta à vitória eleitoral de Donald Trump, Jacobson escreveu, em tempo recorde, uma ficção repleta de humor, no qual o vencedor do Man Booker Prize tenta dar sentido ao resultado eleitoral norte-americano. Ao deitar-se na cama a 8 de novembro, Howard Jacobson estava confiante que o teto não desabaria enquanto dormia. Ao acordar, porém, as notícias que o esperavam eram totalmente o oposto das suas expectativas. Donald Trump era eleito presidente dos Estados Unidos. Assoberbado por um sentimento de urgência, começou a escrever «Pussy» nessa mesma tarde. O título impôs-se quase imediatamente. Para Jacobson, a expressão «pussy» passou a definir na perfeição o atual presidente norte-americano: «uma criança idiota que não pragueja bem, não seduz com estilo, vangloria-se das suas conquistas de forma tão inexperiente que nem ele pode acreditar nelas». Um divertido livro que se junta à nuvem de críticas e sátiras que rodeiam o ainda curto e imprevisível mandato de Trump e que chegou às livrarias no dia 12 de maio. 

LIVRO
Pussy é a história do príncipe Fracassus, o herdeiro presumível do Grão-Ducado de Origen, famoso pelos seus arranha-céus e casinos dourados, que passa a infância a ver reality shows na televisão, a imaginar-se o imperador Romano Nero e a fantasiar sobre profissionais do sexo. É preguiçoso, arrogante, de pele fina e egoísta; não tem maneiras, nem curiosidade, nem conhecimentos, e é possuidor de poucas ideias, que se expressam através de um número muito limitado de palavras. Tendo tudo isto em consideração, será um líder adequado para tornar o país grande outra vez?

AUTOR
Howard Jacobson, de origem judaica, nasceu em Manchester, em 1945. Os seus romances centram-se nas relações e comportamentos da sociedade britânica, particularmente na componente judaica, o que já levou a crítica a considerá-lo o «Philip Roth inglês». Diz, no entanto, e em jeito de ironia, preferir ser conhecido como o «Jane Austen judeu». Em paralelo com a escrita, foi também professor de Inglês no Wolverhampton Polytechnic do West Midlands, no Selwyn College e na Universidade de Sydney. Participou igualmente em vários programas televisivos do canal britânico Channel 4.

0 comentários