Divulgação Coolbooks: E Ficou a Terra, de Carla Ramalho

E Ficou a Terra Carla Ramalho Editora: Coolbooks Formato: e-wook / capa mole N.º páginas: 152 PVP: 4,99€ / 13,30€ O Alen...


E Ficou a Terra
Carla Ramalho

Editora: Coolbooks
Formato: e-wook / capa mole
N.º páginas: 152
PVP: 4,99€ / 13,30€

O Alentejo e os sonhos perdidos de uma geração em E ficou a terra
A luta pela terra, pelo amor e pela liberdade no segundo romance de Carla Ramalho

No pós-25 de Abril, uma pequena vila alentejana fervilha com o embate entre a liberdade recentemente conquistada e a manutenção de privilégios seculares. Num tempo em que a posse da terra se afigurava como bem maior e fonte de conflito constante entre os poderes instalados e os que clamavam por igualdade, uma história de amor cresce entre a filha de um latifundiário e um desconhecido que encontra num bar. Pela voz destes dois protagonistas, Carla Ramalho explora magistralmente a relação com a terra e os sonhos de um futuro melhor proporcionado pela revolução. Após a publicação, em 2015, de Pelas ruas de uma cidade sem nome, a Coolbooks lança agora esta nova incursão da autora eborense pelo romance.

LIVRO
Alentejo. 1975. A luta pela terra alimentava ódios antigos, privilégios seculares, deixando um rasto de conflitos e de feridas abertas. Verónica é a filha de um latifundiário que se apaixona por um desconhecido que conhece num bar. Mantém uma relação secreta com ele até que um flagrante do seu próprio pai os “obriga” a casar. A partir daí, e através das vozes destes dois protagonistas, vamos descobrindo que intentos os movem, quais os seus verdadeiros objetivos e qual o valor da verdadeira liberdade. Passado no pós-25 de Abril, o romance dá-nos a conhecer as dinâmicas de uma pequena vila no Alentejo, os poderes perdidos, aqueles que começam a ascender, assim como a luta perante aquilo que surgia como o bem maior: a posse da terra.

AUTORA
Nasceu em Évora, em 1976. Acredita que foi por ter nascido alentejana que lhe veio o gosto pela escrita – a prosa das gentes e a poesia da planície tinham de extravasar. Licenciou-se em Sociologia e trabalha há vários anos na área social. A investigação, a formação profissional e os projetos de desenvolvimento local já a fizeram viajar um pouco pelo país. Até pela Europa. Mas é sempre à escrita que regressa. Nunca deixou de escrever. Para si, acima de tudo. E para os mais chegados que, simpaticamente e sem pensarem muito nas consequências, lhe elogiaram continuamente o jeito. E ficou a terra é o seu segundo romance.

0 comentários