Entrevista ao Luís Salgado sobre o seu O Salgado Faz Anos... Fest!

Fotografia Miguel Oliveira O Salgado é um dos tipos mais bestiais que conheci por causa do blogue. Não me conhecia de lado nenhum, nem...

Fotografia Miguel Oliveira

O Salgado é um dos tipos mais bestiais que conheci por causa do blogue. Não me conhecia de lado nenhum, nem eu a ele, quando cometi a loucura de lhe perguntar, já em 2013, se não queria receber a festa do sexto aniversário do blogue no Maus Hábitos. Era a primeira vez que organizava festas "a sério" e quis logo fazer em Lisboa e no Porto. No Porto toda a gente me dizia que o Maus Hábitos era o melhor, mas que o Salgado podia ser difícil de convencer... Acho que ele não se importa que eu diga aqui que, de facto, na primeira festa a coisa parecia começar cinzenta, já que ele me tinha dito abertamente que não gostava de uma das bandas que eu queria levar, mas para teimoso, teimoso e meio, e o que é certo é que dali nasceu um respeito mútuo e, pelo menos da minha parte, uma grande admiração. Fazem falta gajos como o Salgado que não deixam as coisas por dizer e cuja personalidade faz com que seja fácil confiar nele. Não é à toa que a sua festa de anos é já um autêntico festival e sempre com o que de melhor se faz na música portuguesa. Como ainda não consegui ir ao Porto, nem no Natal!, enviei-lhe umas perguntas por mail (até meti a pata na poça numa delas) e ele lá arranjou um tempinho para me responder. A sua próxima festa é já no Sábado, dia 27 de Janeiro! Vemo-nos por lá? :) 

Afinal quem é o Salgado? Mito ou realidade?
Acho que nos primeiros 2 anos era um bocado mito, agora já toda a gente sabe que existe uma pessoa real.

É impossível não te associar ao Maus Hábitos. Para quem está no circuito és, claramente, a sua cara. Qual é a história por trás desta associação? Quando é que começaste a fazer curadoria? Foi sempre no Maus Hábitos?
O Maus Hábitos nasceu há 18 anos, como espaço de mostra de um colectivo artístico e ao longo dos anos foi evoluindo para bar, sala de concertos e mais recentemente também restaurante. Eu entrei há cerca de 4 anos como consequência precisamente de fazer cá a festa de anos. Eles acharam que conseguia fazer o mesmo todos os fins de semana. Não está a correr mal!

Talvez não seja do conhecimento de toda a gente, mas tu também és músico e também integras/integraste algumas bandas. Fala-nos desse teu percurso.
Eu comecei aos 14 com uma banda punk, nem me lembro do nome. Depois foram uma data de anos a experimentar coisas em algumas bandas. Neste momento tenho uma banda chamada Stereoboy que tem estado parada mas espero que em 2018 isso mude.

O que é que gostas mais, de produzir ou de tocar? (Eu realmente queria dizer programar, mas as perguntas foram por mail, portanto, erro meu!)
Imagino que com produzir estejas a falar de produção de eventos. Já não faço produção há alguns anos, neste momento faço programação, curadoria e criação de projectos, como por exemplo a digressão Super Nova. Trabalho com uma série de produtores excelentes e claro que faço o acompanhamento de produção. Gosto muito mais de tocar, mas infelizmente em Portugal e se fazes música um bocadinho menos pateta, não consegues pagar as tuas contas só a tocar.

Quando é que o facto de fazeres anos se tornou numa espécie de instituição, dando origem ao mítico O Salgado Faz Anos Fest!?
Isto foi num jantar com amigos quando fazia um numero redondo de anos, e desafiaram-me em tom de gozo a fazer "um festival"... correu-lhes mal a brincadeira!

Fotografia Wandson Lisboa

Que critérios é que usas para escolher bandas para o teu aniversário e no que é que esses critério diferem quando estás a fazer a curadoria normal do Maus Hábitos?
As bandas escolhidas para o meus anos são bandas que gostei de ver ao vivo no ano anterior ou de alguma maneira me despertaram interesse pela sua criatividade ou bandas que gosto muito. No Maus escolho bandas que sejam interessantes e gerem interesse independentemente do meu gosto pessoal. Têm de obedecer a esses dois critérios.

Agora num tom um pouco mais sério, enquanto curador o que é que achas mais importante para bandas mais jovens, ou em início de carreira, se apresentarem de forma apelativa e conseguirem conquistar o seu espaço?
Tentarem ter uma linguagem própria e não ir atrás de modas ou que está a dar em algum momento. Depois se o que criarem for efectivamente bom o restante acontece.

Para terminar_ no próximo Sábado temos mais uma edição do teu aniversário. O que é que esperas dessa noite? Ouvi dizer que quem vai pode eventualmente perder peças de roupa ou sentido de orientação. (ahahah)
Costuma ser incrível! Acho que todos sentem que estão na própria festa de anos e não na festa de um gajo qualquer. E é isso que faz a diferença.


Cartaz completo e horários:

Palco Salgado
22h30 - Surma
23h30 - Ermo
00h30 - First Breath After Coma
01h30 - KILLIMANJARO
02h30 - Lovers & Lollypops Soundsystem 
03h30 - Cumbadélica (Igor Ribeiro e Marie Lopes + VJ Pudeur)
04h30 - Nuno Dias
05h30 - BENT

Palco Super Bock
22h00 - Peltzer 
22h45 - Galo CantÀs Duas
23h30 - Putas Bêbadas
00h15 - Scúru Fitchádu
01h00 - Stone Dead
02h00 - The Twist Connection
21h30 - Paulo Cunha Martins
03h00 - Sérgio Hydalgo (ZDB)
04h00 - Alfredo (RUC, Sensible Soccers)
05h00 - DJ Lynce (Pedro Salvado Santos)

Mupi Gallery:
22H00 – OTROTORTO

Palco Stockhausen
22h00 - Well (João Sarnadas e Inês Castanheira)
22h45 - Violeta Azevedo
23h30 - Gustavo Costa
00h15 - Krake
01h00 – Um gajo que não posso dizer o nome
01h45 – Paisiel
02h30 – @C (Pedro Tudela e Miguel Carvalhais)

03h15 - Tanz Arbeiter (José Alberto Gomes e André Covas)

0 comentários