Jazz em Agosto 2018 volta a apostar no cinema, por João Morales

Nesta edição, o Jazz em Agosto volta a fazer uma aposta considerável no cinema. Logo no dia 29 de Julho, pelas 18h 30m, poderemos ver ...


Nesta edição, o Jazz em Agosto volta a fazer uma aposta considerável no cinema. Logo no dia 29 de Julho, pelas 18h 30m, poderemos ver John Zorn (2016 – 2018), de Mathieu Amalric. Um documentário que não renega a dimensão humana do músico, cuja projecção contará com a presença do realizador. 

Bhima Swarga, de Ikue Mori
Ikue Mori traz-nos dois exemplos da sua ligação ao cinema. No dia 31 de Julho, à mesma hora, Pomegranate Seeds, um filme-concerto de Ikue Mori. Composição em tempo real para acompanhar um espetáculo concebido a partir de um dos contos de Tanglewood Tales, livro em que o escritor norte-americano Nathaniel Hawthorne abordou a Mitologia grega, num registo destinado ao público infantil. No dia 2 de Agosto, às 17h, Bhima Swarga, uma animação que nasceu das pinturas tradicionais do tecto do templo de Kertha Gosa, em Bali.

Between Science and Garbage
Dia 3 de Agosto, igualmente às 17h, John Zorn The Book of Heads – 35 Études for Solo Guitar Performed by James Moore. Realizado por Stephen Taylor, oferece-nos uma amostragem deste trabalho desenvolvido por Zorn entre 1976 e 1978, hoje uma referência na guitarra contemporânea.

Dia 4 de Agosto, às 17h, chega-nos Celestial Subway Lines & Salvating noise, um filme de Ken Jacobs, que resulta de uma colaboração com John Zorn e Ikue Mori. Um documento concebido a partir de uma série de performances multimédia, apresentadas no Anthology Film Archives em 2004.

Dia 5 de Agosto, às 17h, Between Science and Garbage, de Pierre Hébert, assenta numa colaboração com nome maior da electrónica experimental, Bob Ostertag, que acompanha este trabalho de animação.

João Morales

0 comentários