[DESTAQUE] Imploding Stars editam "Riverine" dia 18 de Maio

Fotografia Gonçalo Delgado Riverine é o nome do novo álbum da banda de post-rock Imploding Stars. Após o lançamento de A Mountain and ...

Fotografia Gonçalo Delgado

Riverine é o nome do novo álbum da banda de post-rock Imploding Stars. Após o lançamento de A Mountain and a Tree (2014), a banda sonora Mizar & Alcor (2016) para a versão portuguesa do documentário From Earth to Universe e a participação com Treeless prairie na coletânea T(h)ree - Vol. 5 - Portugal - Cazaquistão - Uzbequistão (2017), Riverine será lançado na primavera de 2018.

O segundo álbum de estúdio da banda aborda o princípio da compreensão dos diferentes estágios de desenvolvimento da vida humana, desde o momento que nascemos até o momento que morremos. Durante a nossa vida, experimentamos diferentes sensações que levam à criação de memórias. No entanto, estamos normalmente limitados aos limites da perceção humana e às decisões sobre o que é bom ou mau nas bifurcações que vamos encontrando. Mas afinal o que é bom ou mau? E se não houver limites nessa perceção humana? E se pudéssemos, de alguma forma, viver para sempre ou reviver. A ideia foi transpor em melodias e ritmos as experiências, sentimentos, movimentos e ações que estão relacionados com esses estágios de vida. A abordagem pretende remover os limites da nossa mente e do universo, permitindo-nos criar um envolvimento entre os oitos temas do álbum à história de vida de cada ouvinte.

Correndo de montante para a jusante, desde a nascente até gigantesco oceano, Riverine é o modo como os Imploding Stars sentem que a vida deveria soar.

Demise de Riverine corresponde ao 7º momento/fase da vida humana, a morte, num álbum que explora o ciclo da vida. De olhos fechados deixamos o nosso corpo flutuar até à imensidão do desconhecido. Não há força nem medo, só o vazio. Viver não nos deixa muito tempo para pensar em não viver. Estamos condenados aos limites da vida humana. E se quebrarmos esses limites?

O videoclip de Demise, realizado por Diogo Louro e com participação de Teresa Arcanjo, Afonso Santos e Catarina Costa, aborda o desaguar na imensidão do mar. Uma relação que se esforça para ultrapassar adversidades acaba destruída pela derradeira separação e o ponto sem retorno lança a protagonista numa espiral deslocada do espaço e do tempo onde só consegue observar o seu próprio desaparecimento.

Riverine será apresentado ao vivo no dia 19 de Maio no gnration em Braga, 25 de Maio no Plano B no Porto e 30 de Junho no Sabotage em Lisboa.

0 comentários