Opinião: Sorrisos Quebrados, de Sofia Silva

Sorrisos Quebrados Sofia Silva Editora: Editorial Presença Sinopse: Paola está num momento chave da sua vida. Vai ter de decidi...


Sorrisos Quebrados
Sofia Silva

Editora: Editorial Presença

Sinopse: Paola está num momento chave da sua vida. Vai ter de decidir se quer continuar a viver ou se vai deixar-se morrer às mãos do homem por quem um dia se apaixonou e com quem veio a casar. Como foi possível que aquele homem bem parecido, poderoso e deslumbrante se tornasse no monstro que a está a destruir? Mas Paola decide viver. E, no mais improvável dos lugares, vai encontrar de novo a luz e descobrir que, afinal, é possível amar outra vez. Sorrisos Quebrados marca a estreia de Sofia Silva na escrita de ficção. Um romance sobre violência doméstica , abuso sexual e as segundas oportunidades que a vida por vezes reserva.


OPINIÃO: Aqui está um livro sobre o qual tenho sentimentos contraditórios. Terminei a leitura ainda na primeira quinzena de Junho, mas não foi só a falta de tempo que me fez ir adiando este texto, foi, principalmente, esta incerteza sobre o que o livro acabou por significar para mim. O início da leitura é brutal, está super bem escrito, forte, real. Causa uma impressão tão intensa que as descrições parecem transpor-se para o nosso corpo e sofremos verdadeiramente com a protagonista - Paola. Talvez por este início, não esperava que o resto da trama se desenrolasse, ou tomasse alguns contornos, como aconteceu. 

Existe uma mensagem muito forte em Sorrisos Quebrados - a vida por vezes prega-nos partidas inimagináveis com consequências que nos transformam para sempre, seja física ou psicologicamente. A segunda grande mensagem, parece-me, é que se deixarmos, se tivermos paciência connosco e se arriscarmos confiar novamente, talvez o sorriso volte ao nosso rosto. E isto é válido não só para Paola, como para André (o seu co-protagonista) e ainda mais para Sol, filha de André. Reflectindo sobre o romance no seu todo, penso que houve uma altura em que a protagonista se tornou outra. Penso que Sol merecia um maior desenvolvimento e foco. Se por um lado toda a envolvente com Paola nos impressiona ao início, com o desenvolver do romance, e com o seu envolvimento mais romântico e erótico com André, foi em Sol que a minha atenção se focou. Não será de estranhar se pensarmos que o tópico inicial está relacionado com traumas e superações. É como se houvesse uma transferência de empatia e compaixão. 

A escrita é simples, doce e poética, mas por vezes em doses exageradas. O universo das cores e da expressão artística como meio de cura está muito bem conseguido e é dos aspectos mais bonitos de Sorrisos Quebrados. É através dessa linguagem que Paola conquista a confiança de Sol e acaba também por conquistar todos à sua volta. Em pequenos pormenores e interacções, conhecemos personagens secundários que despertam alguma curiosidade, mas não a suficiente para nos desviar de trama principal. Todo este enredo acaba por girar à volta de uma clínica cujo conceito está bastante bem explorado. Resumindo, gostei da leitura, mesmo não me tendo sempre identificado com algumas das opções da autora em relação ao ritmo a que alguns desenvolvimentos se deram. Por vezes, os saltos pareceram-me muito grandes. Ainda assim, para romance de estreia, a autora está de parabéns. 

0 comentários