[Diário de Bordo] Amsterdão e outras coisas

Já faz quase uma semana que cheguei de Amsterdão, mas há tanta coisa a acontecer na minha vida neste momento que só agora me consegui se...


Já faz quase uma semana que cheguei de Amsterdão, mas há tanta coisa a acontecer na minha vida neste momento que só agora me consegui sentar ao computador para poder partilhar algumas preciosidades convosco. 

Fui a Amsterdão no contexto da International Conference on Computational Social Science (IC2S2). Nunca tinha visitado a cidade e confesso que, previsivelmente, fiquei encantada com a topologia da cidade. Existem canais por todo o lado, casinhas nos próprios canais, mais bicicletas do que carros e imensos espaços verdes. Existe um grande contraste entre o centro da cidade (que não gostei tanto) e os arreadores. E quando digo arredores, digo que basta andarem umas duas ou três ruas paralelas às do centro e o ambiente é logo muito mais pacífico, o ar mais fácil de respirar, e os tais espaços verdes emergem com muito mais frequência. Amsterdão é uma cidade cosmopolita, como só podia ser. Existe tanta diversidade de pessoas, estilos e feitios que é impossível uma pessoa sentir-se deslocada. Há espaço para tudo e todos. Ah! E há que destacar a maravilhosa apple pie que eles lá têm. Por favor, se forem lá, provem-na! 

A conferência também correu muito bem. A IC2S2 mistura pessoas de muitas áreas, sendo que as duas dominantes são as Ciências da Computação e Ciências Sociais. Os primeiros dois dias, o Warm-Up, foi fantástico, com palestras inspiradoras e com actividades sociais que envolveram mergulhos no rio (para os mais corajosos), jogos de voleibol, muita comida vegetariana (YES!), muitos risos e companheirismo. As conversas e as ideias científicas surgiam tão naturalmente que foi extraordinário a forma como a ciência e a diversão se conjugaram de forma tão produtiva. 

Claro que também teve as suas peripécias. Imaginem um jantar social de uma conferência em que as pessoas perseguiam a sua comida! Ahahah! É verdade, isto aconteceu. Apesar da organização impecável da conferência, o jantar social oficial mostrou-se um pouco caótico. O local era belíssimo, mas não o jantar era em pé. Para além da fome e do cansaço que habitava muitos de nós, a comida que surgia nos tabuleiros, de quem passava entre as pessoas para que estas se servisse, era em doses mínimas. Só mais para o final do jantar, quando pelo menos metade das pessoas já se tinha cansado e ido embora, é que a comida surgiu, ou assim pareceu, em mais abundância. Enfim, só uma pequena nota, claro, mas imaginem centenas de pessoas à caça dos empregados, nas saídas da cozinha, só para apanharem um pouco mais de comida. Ahahah. Teve a sua piada :) Atenção, reforço que não estou de todo a falar mal da conferência, mas este evento teve a sua particular piada. 

Já de regresso a Portugal, o trabalho não diminui. Aliás, há algo que espero poder partilhar convosco em breve, mas como ainda não é uma certeza a 100% (só a 99%, o que não é suficiente...) ainda tenho de ficar caladinha. É daquelas coisas que se depois não acontece é um balde de água fria gigante. Vamos ver como corre tudo. Outro ponto caricato, é que com a defesa da tese, as viagens a Itália e Amsterdão, o semestre por fechar, etc., ainda nem sequer marquei férias! Se tiverem sugestões de sítios sossegados, com natureza por perto (seja praia ou floresta ou montanha), com uma piscina (na ausência de praia), eu agradeço! 

Durante esta semana quero retomar artigos e colocar o que for necessário em dia. Tenho alguns textos de livros por escrever, alguns passatempos por lançar, etc etc. Ficam desse lado comigo? Até já :) 
















0 comentários