Opinião: A Morte Feliz, de Albert Camus

A Morte Feliz Albert Camus Editora: Livros do Brasil Sinopse: Escrito quando o autor tinha vinte e poucos anos, mas apenas reve...


A Morte Feliz
Albert Camus

Editora: Livros do Brasil

Sinopse: Escrito quando o autor tinha vinte e poucos anos, mas apenas revelado após a sua morte, em 1971, o texto de A Morte Feliz é, em certa medida, a base a partir da qual se construiu a obra maior de Albert Camus, O Estrangeiro. Esta é a história de Patrice Mersault, um operário franco-argelino, cujos passos acompanhamos até à casa da sua vítima e daí, em fuga, pelo exílio que impôs a si mesmo. O mar, o sol, as mulheres, a busca pela felicidade e a aceitação da morte constituem linhas-mestras neste texto que é um estudo sobre a luta do ser contra os grilhões da sua existência, mas também uma espantosa janela sobre a imaginação de um jovem autor, que se viria a revelar um dos maiores da literatura mundial do século xx.


OPINIÃO: Ler Albert Camus é sempre uma experiência intensa. Sempre que o li fiquei com aquela sensação agridoce que nasce do confronto a que o autor nos obriga a ter com a nossa percepção da vida, da felicidade e de como atingi-la. A Morte Feliz é um pequeno livro resgatado dos apontamentos do autor. Foi editado já após a sua morte e, por isso, não contém uma linha narrativa muito sólida. No entanto, os fragmentos que se conseguiram alinhar são suficientes para se dissertar eternamente sobre a obra.

As primeiras páginas deixaram-me logo em sentido de alerta. Tomando consciência que estes fragmentos foram escritos em tão tenra idade leva-nos ao reforço da constatação que Camus não era um ser humano comum. Abordando a morte e a felicidade com um pragmatismo estonteante, chega a ser quase cruel a forma como A Morte Feliz quebra certas ilusões. Claro que tudo o que está relacionado com existencialismo é sempre subjectivo, mas a verdade é que Camus, através do errante Patrice Mersault, esfrega-nos na cara a dura verdade da pescadinhas de rabo na boca: para se ser feliz é preciso ter tempo -> para se ter tempo é preciso ter dinheiro -> para se ter dinheiro é preciso trabalhar -> trabalhar para ganhar dinheiro suficiente para ter tempo ocupa-nos o tempo todo. Aqui o ciclo fecha-se e a felicidade parece impossível para aqueles que têm de se matar a trabalhar para ter o tal dinheiro que pode nunca chegar e por isso o tempo para se ser feliz parece também ele uma miragem. 

Outro ponto muito importante abordado neste livro, é a importância de estarmos conscientes de nós mesmos, do que queremos para nós, em vez de nos agarrarmos ao que é superficial. Dividido em duas partes - Morte Natural e Morte Consciente - o autor leva-nos por um caminho em que passamos de uma certa alienação para a consciência do que nos rodeia e da nossa própria solidão enquanto veículo de tomada dessa mesma consciência. Não obstante o caminho sinuoso traçado ao longo destas páginas, entre o apego desinteressado e a urgência de significado, o protagonista acaba satisfeito com a vida que levou. Confesso que não consigo imaginar uma vida em que alguém encontra paz depois do que aconteceu entre Mersault e Zagreus (o personagem impulsionador de toda esta história), e portanto nem sempre me senti alinhada com algumas das atitudes e pensamentos de Mersault. 

Não tirando qualquer mérito desta narrativa, devo alertar quem decidir ler este livro que por vezes a leitura pode tornar-se um pouco arenosa. Mas vale a pena prosseguir e fazer o caminho completo. Nutro uma profunda admiração por este autor e sou da opinião que qualquer amante literário deveria ler pelo menos uma das suas obras. Talvez esta não seja perfeita para começar, mas é sem dúvida uma leitura fundamental na contribuição da discussão sobre a existência humana. 

0 comentários